quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Esse não

Esse não não é como os outros nãos.

Já existiram vários. Um atrás do outro. Muitos implícitos, outros tantos explícitos. Outros foram lidos conforme o tempo ensinava. Incontáveis.

Mas esse não é diferente. É asqueroso, traiçoeiro, perigoso como um humor negro. Ele engana e finge que não escuta. É triste.

Esse não vem devagar, desde o início dos tempos, sempre estando bem ali e sem ser percebido, mais oculto que um ninja bem treinado sob uma máscara conhecida. Esse não é longo, perpétuo, carrasco, infinito.

E, por isso, esse não causa profundas feridas que só são percebidas depois de muito tempo abertas, tocadas e lascadas. Esse não machuca. Esse não causa dores intensas e longas, porém inconstantemente ondulares, pois se torna necessário aquele pouco de falsa esperança para que a intensidade da dor seja muito bem aproveitada.

Esse não é triste e infinito; e aqui perpetuar-se-á para todo o sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário