sexta-feira, 29 de abril de 2016

No fundo

No fundo, é só aquela vontade de 
sentar num canto,
perder-se nos pensamentos,
refletir sobre como
minha vida está uma merda


e chorar muito.


Mas a postura e o orgulho sempre são mais fortes.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

A luta para não ir para a cama é pesada

A luta por não passar o resto das horas na cama é pesada.

O medo do não é constante e intenso.

A inveja (será?) continua empurrando minha mente para o negro. Longe de tudo que poderia ser bonito.

Poderia ser a gente...
...se existisse "a gente".

Ou não poderia. Porque não é.

Não dá pra passar daqui. Se a vida tal como a conhecemos se define a partir dessa luta diária a que todos nós somos obrigados a enfrentar, prefiro então me jogar para subconsciente, entregar-me para o breu, dormir.

Dormir não é viver, mas me protege de sofrer.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Esses e aqueles

Existem seres por aí que estão lutando incansavelmente um combate insaciável que a vida lhes deu, lutando para vencer o jogo de amores que a vida lhes forçou a jogar. Estão lutando para encontrar aquele amado, aquele com quem se possa passar todo a maravilhosa continuação da vida até seu fim, aquele que lhe faz sorrir involuntariamente ao apenas existir ou mesmo se lembrar de momentos com os quais ambos passaram juntos. Lutam para encontrar aquele único, para quem possam dizer e receber o único e verdadeiro "eu te amo!".

E existem os seres humanos.
Ihminen ei osaa rakastaa.

sábado, 9 de abril de 2016

Estava eu certo?

Três anos e meio.
Quarenta e três meses.

Eu estava certo então?

Desliguei-me da vida. Caí no primeiro poço e me enterrei no vazio. Fui pego pela realidade que honestamente me deu uma agulha.

"Você estava errado"
Não.

Seria tudo isso uma mentira?
Eu sabia? Sempre soube? Ainda sei?

A regra sempre é simples. Eu sou a única exceção. Eu sou o único. Eu sou aquele que empurrava o normal ladeira abaixo.

Os outros eram mortais e eu dominava perfeitamente bem a matemática para fazer os cálculos e seguir o algoritmo. Eu estava certo.

Eu estava certo!

S. D. I. P.

domingo, 3 de abril de 2016

Não sigo o esteriótipo

Sim, existem vezes que me sinto uma metade. É impossível achá-la. Por mais intrínseco e deprimente seja o tempo que gasto na procura.

Não me junto com a metade. Não me envolvo no meio. Não sigo os padrões. Não tenho esteriótipos. Não pareço.

Mas o que me resta é um espelho.

E se o espelho quebrar? Sete anos de azar?
E se eu quebrar o espelho? Vinte e três anos preso num campo de centeio?

É possível usar códigos? Ler o script em outro programa? Criar uma nova linguagem? Reiniciar?

Também nunca me disseram que seria impossível.

Pokevolução

Se a vida te der um Caterpie, treine-o até Butterfree.